22 de mar de 2013

Samba Preto no Branco e Alexandre Nunes

Um pouco da minha passagem por Natal . Onde conheci pessoas bacanas como ;  Léo , Mateus , Marcão ,  Debinha , Leandro e os Grupos Preto no Branco e Arquivo Vivo .....
Dois dias de muita alegria , samba  e novas amizades .
Obrigado por tudo , galera !

Show em Natal !!








21 de nov de 2011

As voltas que o mundo dá....


Bom dia , amigos !
Só hoje consigo escrever algumas linhas sobre a noite de sábado .
No último sábado , por volta das 22 h, eu parti em direção ao Candongueiro. Não seria mais uma noite de um bom samba e um bate papo com os amigos regado a original gelada e algumas doses de Jatobá . Cantei , bebi ( bastante ), tietei os grandes compositores presentes, desagradei a patroa .. isso é uma outra história! rs
Tive uma emoção diferente de todas as outras vezes que pisei lá. No dia 10 de setembro, dia em que fui como convidado pra lançar meu disco foi muito especial.  Mas este sábado , não tinha só uma mesa reservada pra mim , tinha uma grande mesa reservada aos convidados e eu fazia parte deles . Nada de mais , se os convidados não fossem  Délcio Carvalho , Toninho Nascimento , Wanderlei Monteiro , Toninho Gerais,  Luiza Dionisio , Luis Carlos Máximo , entre outros que passaram por lá pra prestigiar a festa .
Entre um copo e outro , eu olhava para aquela estrutura , que apesar de um pouco modificada pela necessidade da demanda , mantem uma história de sucesso inquestionável . Lembrei também as vezes em que fiquei a espreita de um cavaquinho dando sopa pra eu arriscar algumas notas. De quantos sambas ví nascer alí  naquela roda.  Alí pisaram , senão todos, a maioria dos grandes nomes do samba que ainda estão entre nós e muitos dos que já se foram , como o inesquecível,  DaVila !!!
Durante anos alimentei a esperança de um dia fazer parte daquela roda . A cada músico que saía pra seguir sua carreira, eu pensava : é agora !!!  E aí , vinha a vida e me ensinava ;  tudo tem seu tempo !
E assim aconteceu !! Vejo hoje, que conquistei o respeito e a amizade de Dona Hilda , Ilton e Ivan   ( donos da casa ) . Confesso que tem outro sabor . Conquistar é melhor que ganhar , né?
Nesse episódio tive a certeza que minha conduta de honestidade e paciência me trouxeram até aqui .

Enfim....  Parabéns a  Família Candongueiro pelos 21 anos de samba !!!

20 de out de 2011



 Ainda emocionado com o show de ontem, no Praia Clube São Francisco , aqui em Niterói . Hoje , 20 de Outubro ,dia em que completo 41 anos , pela primeira vez senti vontade de escrever aqui nesse espaço que criei pra divulgar meu trabalho.
Ontem revi amigos , parentes  e pessoas especiais  que fazem parte da minha história , além de sócios do clube, que não me conheciam , mas fizeram questão de me cumprimentar ao final do show.
Mas a emoção aflorou mesmo quando soube da presença de minha Tia Teresinha . Uma das minhas mães .
Que mesmo com a dificuldade do horário , ficou firme e forte até as cortinas se fecharem , só pra me dar um abraço.
Por um instante ví toda a minha vida passar enquanto olhava para a platéia . O fato é que passei tantos anos da vida tentando entender a ausência daquela que me trouxe ao mundo , que esqueci de agradecer as que vieram para reparar essa "mancada do destino".
Enfim.... essa história é longa e não muito alegre. Vamos a outras emoções ...
Fazer um show comemorando o meu aniversário e junto com um irmão como Humberto foi um presente .....
Olhar para o lado e ver o  Alessandro Cardozo ( "o chapinha" ) conduzindo a batuta foi maravilhoso.
A banda de amigos estava impecável !!!
O "Chapinha" consegue fazer tudo parecer fácil . Na minha troca de roupa ( desculpa para tomar uma ) deu um show à parte com Dudu Oliveira solando dois choros  e como de costume improvisando alguma coisa.
A galera aplaudiu de pé !!
Bom....  na verdade quero mesmo é agradecer à todos que proporcionam bons momentos na minha vida .
Espero viver mais 41 anos , sempre com amigos por perto !!!
Valeu !!!!

24 de set de 2011

“O tempo que o samba viver
O sonho não vai acabar...”

Assim cantou Luiz Carlos da Vila eternizando a chama do samba de Candeia.
Esta pequena grande frase pode ser ligada ao trabalho de alguns novos sambistas como é o caso de Alexandre Nunes na trajetória de perpetuar e ‘canonizar’ o samba.
Aldir Blanc já disse que o samba é a expressão humana mais  completa. Ele tem alma! E tendo todo esse peso da divindade, fazer samba não é para qualquer um, muito menos fazer com que ele se eternize...
Alexandre Nunes sabe bem disso, sentiu o samba bater à sua porta desde cedo. O samba era seu vizinho ou mesmo, morava na mesma casa e ele veio a descobrir isso com o tempo, através de seu pai, o cantor e violonista Elzer Nunes. Uma bateria foi seu primeiro instrumento musical e a partir daí,  cantar e tocar violão em Niterói, sua cidade natal, virou mais que uma simples “tiração de onda”, virou profissão!
E o samba cada vez mais se fez presente, o som negro, de resistência história misturado à influência magistral de Luiz Carlos da Vila, fez com que Alexandre se definisse mais e mais como sambista de fato e de coração.
Este blog vem apresentar não só o trabalho de um sambista, mas sim mostrar que o sonho não acabou, o sonho de se fazer samba e de ser um artista “de responsa” está se concretizando. Se concretizando em seu primeiro CD, nas rodas do Samba do Trabalhador e no mundo do samba freqüentado por  Alexandre.
Sejam bem-vindos leitores, blogueiros, internautas, macacas de auditório e aventureiros! Aqui é que o samba vai pegar, esquentar e mostrar toda sua magia em nome da filosofia de Alexandre Nunes.
Texto: Carolina Gallego 

19 de set de 2011

Texto do Moa , que está no meu cd !

Conheci o Alexandre Nunes na especial roda de samba que o inesquecivel Luiz Carlos da Vila promovia no seu quintal na Vila da Penha.
O cavaquinho cuidadoso na harmonia me chamou logo a atenção.
O repertório apresentava um artista antenado as diversas tendências do samba, pinceladas de diferentes gerações aonde o que prevalece é a qualidade.
Um detalhe me aproximou mais: - A malandragem boa praça dos que entendem do enredo.
Os caminhos foram se cruzando.
Alexandre é de Niterói, um baralho de ases do naipe de Alessandro e Charles, Silvério, Dinho e outros conteporrâneos.
O tempo inventou outro caminho até ouvir seu nome como indicação para o nosso Samba do Trabalhador.
A parceria estreitou e hoje, orgulhoso, estou aqui ouvindo o primeiro trabalho individual desse sambista nato,árvore de boa raiz, bastão garantido pros que virão.
Ele diz "Agora que o samba esquentou" e o coro repete: -Agora que eu não vou embora!
Maturidade de um consagrado, euforia de um aprendiz, Alexandre Nunes esquentou e agora, ninguem vai embora!
Moacyr Luz